Vigésimo quinto dia de meditação do Mês de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento.

Nossa Senhora com menino

Apostolado de Maria

I. A alma que vive da Eucaristia deve, antes de tudo, cuidar dos interesses do adorável Sacramento, e entre esses, o primeiro e mais caro a Jesus, que é o Sacerdócio. É por intermédio dos Sacerdotes que o Santísssimo Sacramento nos é dado e vem às nossas almas; por meio deles recebe Jesus a vida sacramental que consagra à glória de seu Pai; por eles Jesus é mais glorificado do que poderiam fazer os fiéis ainda mesmo os mais piedosos; Jesus delegou aos Padres todos os seus direitos, conferindo-lhes seu próprio poder. Rezar pelo Sacerdócio, portanto, rogar que se multipliquem as vocações, conseguir para os povos sacerdotes santos, homens abrasados, era essa a oração de Nossa Senhora e seu apostolado predileto. E agora continua a proteger as santas vocações, pedindo-as a seu Filho; o Sacerdote é o filho predileto de Maria Santíssima.

Nossa Senhora é quem o inicia na piedade desde a infância, e conserva sua virtude; é Ela quem sustenta seu fervor, o conduz pela mão até aos pés do Altar e o apresenta ao Bispo como fez outrora levando Jesus ao Templo. Nossa Senhora infunde-lhes igualmente coragem nos múltiplos sacrifícios dos estudos, das lutas e das responsabilidades do Sacerdócio.

O Sacerdote formado por Maria será certamente um bom e santo Ministro do altar e será bem acolhido por Jesus.

II. Maria, por assim dizer, se revê no Sacerdote, e por meio dele continua sua missão junto às almas e junto a Jesus Cristo. A primeira Encarnação, com efeito, se operou em Maria e por meio de Maria; n’Ela se encarnou o Verbo; nas mãos do Sacerdote e graças à sua palavra, Jesus Cristo se torna nosso Pão. A dignidade da Mãe de Deus é incomparável; Maria é mãe do Rei e, por conseguinte, Rainha dos Anjos e dos homens.

O Sacerdote é o pai de Jesus Sacramentado; é o rei espiritual das almas; um Deus terrestre, terrenas Deus, que recebeu de Deus todos os bens, abrindo e fechando o céu.

Maria educa Jesus, sustenta-O, segue seus diversos estados; ao Sacerdote compete fazer Jesus Cristo crescer nas almas, segui-LO e conservá-LO, até que Ele tenha atingido nelas a idade perfeita, transformando-as em si próprio.

Maria Santíssima, em sua qualidade de mãe, tem sobre Nosso Senhor todos os direitos conferidos pela maternidade; do mesmo modo o Sacerdote tem um poder direto sobre a pessoa de Jesus Cristo. Nossa Senhora só é poderosa por Jesus; o Sacerdote, por sua vez, só é poderoso pelas graças que Jesus coloca em suas mãos; o próprio Jesus se põe ao seu dispor, a fim de conferir-lhe assim maior possibilidade de ação.

Todavia, sob certos pontos, Nossa Senhora pode invejar os privilégios do Sacerdote.

O Verbo Encarnado permaneceu em seu seio tão somente durante nove meses; a fecundidade do Sacerdote é perpétua; cada dia ele encarna Jesus; seu poder consecratório é inerente ao seu Sacerdócio; semelhante ao Padre Eterno, cuja geração jamais se esgota, semelhante ao sol que irradia cada manhã sua luz e calor sem jamais se consumir, Maria dá o Salvador ao mundo no estado mortal, e, portanto, débil e para a cruz; o Sacerdote fá-LO baixar sobre o altar mas em seu estado glorioso e ressuscitado; sua glória não aparece aos nossos olhos carnais, porém os Anjos a contemplam. É um sol radioso do lado do céu, mas velado do lado da terra.

III. A missão e os deveres do Sacerdote e de Maria são idênticos, em relação à Eucaristia e em relação às almas. A missão do Sacerdote é missão de adorador e de apóstolo.

O Padre é, em primeiro lugar, adorador e guarda do Santíssimo Sacramento; é, acima de tudo, homem de oração. Nos autem, diziam os Apóstolos, oratione et ministério verbi instantes erimus. (Act. VI, 4). Quanto a nós, entregar-nos-emos à oração e à pregação. É mister que o Sacerdote se associe à oração da Vítima que ofereço e que prepare e inicie aos pés do altar seu apostolado exterior.

Maria no Cenáculo: eis sua Divina Mãe desempenhando seu principal dever. Nossa Senhora no Cenáculo é adoradora por ofício; adora, cuidando do culto eucarístico; repara a glória de Deus ultrajada pelos pecadores; consola o amor de Jesus desprezado pelos homens.

Ao Pai Ela oferece Jesus; a Jesus apresenta seu materno seio, e ao Espírito Santo, as almas que são sua herança e seus templos, a fim de que Ele as renove e inflame em seu amor.

Eis o que deve a Jesus o Sacerdote fiel que compreende a graça do amor do Salvador para com ele.

O segundo mistério do Sacerdote é o de anunciar Jesus Cristo aos povos. Também aqui Maria é sua dulcíssima protetora. Foi Ela quem educou Jesus e revelou os mistérios de sua vida aos Apóstolos e aos Evangelistas; Maria falava de Jesus sem cessar, fazendo-O amar por todos; era a fervorosa zeladora de Jesus. O mesmo deverá fazer o Sacerdote: pregar, dar a conhecer Jesus Sacramentado, propagar seu culto e seu reinado com zelo infatigável.

Para isso deve recorrer a Maria, que ama os Sacerdotes com amor de predileção; ama-os em Jesus seu Filho, de quem são os ministros, ama-os para a glória de Deus e a salvação das almas das quais são os apóstolos.

O Sacerdote tem deveres a cumprir para com esta Mãe terníssima; não deve ceder a ninguém seu posto em tributar-lhe honras, e nem deixar-se vencer no amor que lhe deve professar.

Ademais, deve trabalhar com zelo para torná-LA conhecida e amada.

Quanto a nós, se amamos a Eucaristia e desejamos vê-la servida, pregada e adorada por todos, imploremos, sem cessar, a Jesus, por intercessão de Maria, que nos dê Sacerdotes santos, obreiros apostólicos, fiéis adoradores; é condição indispensável para a glória do Santíssimo Sacramento e a salvação do mundo.

Terna proteção de Maria para com um sacerdote

Dois Sacerdotes, viajando certa vez pelos pais dos Albigenses, avistaram uma igreja, e se bem que estivessem em tempo de franca perseguição religiosa, tudo se devendo temer dos selvagens hereges, quiseram eles celebrar a Santa Missa, movidos, sobretudo pelo fato de ser um sábado, para honrar desse modo, a Santíssima Virgem. Quando o primeiro deles celebrava, eis que chegaram os Albigenses que o arrastaram do altar e, depois de lhe infligirem mil ultrajes, cortaram-lhe a língua deixando-o semimorto. Seu companheiro o transporta, embora com dificuldade, para um mosteiro das cercanias, onde ambos são recebidos com verdadeira caridade.

Na véspera da Epifania, o pobre Sacerdote mudo, ouvindo o canto dos religiosos, inflamou-se de um desejo ardente de se unir a eles, e, sobretudo, de poder celebrar a Santa Missa. Dirige-se então a Maria, no fervor destes seus desejos, e esta doce Mãe, lhe aparecendo com o membro de que fora ele privado, diz-lhe: “Eis, meu caro filho, que por terdes perdido esse membro e sofrido tanto porque, sem temor do perigo, quisestes dizer a Santa Missa em honra de Jesus e em minha honra, eu vo-lo restituo, da parte de meu Filho”.

O fervoroso Sacerdote sentiu-se curado no mesmo instante e entoou, com voz clara e sonora, um cântico de ação de graças em louvor de Jesus e de sua misericordiosa Mãe.

(Nicolau Laghi, trat. VI, c. XXIV.).

PRÁTICAOrar incessantemente pelas vocações sacerdotais e exercer a mais piedosa e respeitosa caridade para com os Sacerdotes.

JACULATÓRIAÓ Rainha do Clero, enviai bons operários para a Messe de vosso Divino Filho.

Obs.:Trecho extraído do livro: Mês de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento, do Bem aventurado Pedro Julião Eymard. O mesmo pode ser baixado no blog alexandriacatolica.blogspot.com.br

Sobre Débora Maria Cristina

email para contato: aformacaodamocacatolica@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: