Arquivo da categoria: São José

Coroasinha e Hino de São José

Coroasinha

Em honra das sete dores e dos sete gozos de São José.

  1. Ó Esposo puríssimo de Maria Santíssima, glorioso São José, assim como foi grande a amargura e angústia do vosso coração na perplexidade de abandonardes vossa castíssima Esposa, assim foi inexplicável a vossa alegria, quando pelo Anjo vos foi revelado o soberano mistério da Encarnação.

Por esta vossa dor, e por este vosso gozo, vos rogamos a graça de consolardes, agora e nas extremas dores, a nossa alma com alegria de uma morte, semelhante à vossa, entre Jesus e Maria.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai.

  1. Ó felicíssimo Patriarca, glorioso São José, que fostes escolhido para o cargo de Pai adotivo do Verbo humanado, a dor que sentistes ao ver nascer em tanta pobreza o Deus Menino se vos trocou em celestial júbilo ao escutardes a angélica harmonia e ao verdes a glória daquela brilhantíssima noite.

Por esta vossa dor, e por este vosso gozo, vos suplicamos a graça de nos alcançardes que, depois da jornada desta vida, passemos a ouvir os angélicos louvores e a gozar os resplendores da celeste glória.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai.

III. Ó obedientíssimo executor das divinas leis, glorioso São José, o sangue preciosíssimo, que na circuncisão derramou o Redentor Menino, vos traspassou o coração, mas o nome de Jesus vo-lo reanimou, enchendo-o de contentamento.

Por esta vossa dor, e por este vosso gozo, alcançai-nos que, sendo arrancados de nós todos os vícios nesta vida, com o nome de Jesus no coração e na boca, expiremos cheios de júbilo.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai

  1. Ó fidelíssimo Santo, que também tivestes parte nos mistérios da nossa Redenção, glorioso São José, se a profecia de Simeão, a respeito do que Jesus e Maria tinham de padecer vos causou mortal angústia, também vos encheu de soberano gozo pela salvação e gloriosa ressurreição que igualmente predisse, teria de resultar para inumeráveis almas.

Por esta vossa dor, e por este vosso gozo, obtende-nos que sejamos do número daqueles que pelos méritos de Jesus e pela intercessão da Virgem sua Mãe têm de ressuscitar gloriosamente.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai.

  1. Ó vigilantíssimo Guarda, íntimo familiar do Filho de Deus Encarnado, glorioso São José, quanto penastes para alimentar e servir o Filho do Altíssimo, particularmente na fugida que com ele houvestes de fazer para o Egito; mas qual foi também o vosso gozo por terdes sempre convosco o mesmo Deus, e por vedes cair por terra os ídolos egípcios!

Por esta vossa dor, e por este vosso gozo, alcançai-nos que, expelindo para longe de nós o infernal tirano, especialmente com a fugida das ocasiões perigosas, sejam derribados do nosso coração todos os ídolos de afetos terrenos, e inteiramente empregados no serviço de Jesus e de Maria, para eles somente vivamos e felizmente morramos.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai.

  1. Ó Anjo da terra, glorioso São José, que cheio de pasmo, vistes o Rei do Céu submisso a vossos mandados, se a vossa consolação ao reconduzi-lo do Egito, foi turbada pelo temor de Arquelau, contudo sossegado pelo Anjo, conservastes-vos alegre em Nazaré, com Jesus e Maria.

Por esta vossa dor, e por este vosso gozo, alcançai-nos que, desocupado o nosso coração de viciosos temores, gozemos paz de consciência vivamos seguros com Jesus e Maria e também entre Eles morramos.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai.

VII. Ó Exemplar de toda a santidade, glorioso São José, perdestes vós, sem culpa vossa, o Menino Jesus, e para maior angústia houvestes de buscá-lo por três dias, até que com sumo júbilo gozastes do que era vossa vida, achando-o no templo entre os doutores.

Por esta vossa dor, e por este vosso gozo, vos suplicamos, com coração nos lábios, que interponhais o vosso valimento, para que nunca nos suceda perdermos a Jesus por culpa grave; mas se por desgraça o perdermos, com tão contínua dor o procuremos, que o achamos favorável, especialmente em nossa morte, para passarmos a gozá-lo no céu, e lá cantarmos convosco, eternamente, suas divinas misericórdias.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai.

Antífona. O mesmo Jesus tendo quase trinta anos era reputado por Filho de José.

  1. Rogai por nós bem aventurado São José.
  2. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

ORAÇÃO

Deus, que por vossa inefável Providência vos dignastes eleger o bem aventurado São José para Esposo de vossa Mãe Santíssima concedei-nos, nós vos pedimos, que mereçamos ter como intercessor no céu aquele a quem veneramos na terra como nosso Protetor. Vós que viveis e reinais com Deus Pai na unidade do Espírito Santo. Amém.

Hino a São José

 

Vinde alegres cantemos

A Deus demos louvor

A um pai exaltemos

Sempre com mais fervor

 

São José a vós nosso amor

Sede nosso bom protetor

Aumentai o nosso fervor

 

São José triunfante

Lá na glória gozais

Para sempre reinante

No Senhor repousais

 

Oh! Esposo preclaro

Amantíssimo Pai

Dos cristãos firme

Amparo

Este canto aceitai

 

Que por ele possamos

Todos nós alcançar

Lá no céu que esperamos

Vossa glória cantar

Obs.: Trecho retirado do livro “Mês de São José” do Mons. José Basílio Pereira, 1948. O livro pode ser baixado no blog alexandriacatólica.

Trigésimo primeiro dia de meditação do mês de São José

31 a formação da moça São José

Clique aqui e faça a oração inicial para todos os dias do mês de março.

Oremos para que Deus nos conceda uma grande devoção a São José.

São José estava constantemente ocupado.

Os santos têm sempre alguma coisa a fazer e fazem-na sem precipitação e também sem indolência. Feliz por ter de ganhar todos os dias o pão de Jesus e de Maria, José não teria perdoado a si a mínima perda de tempo e este pensamento: “Eles não teriam o que precisam”, ativava-lhe a coragem e dobrava-lhe as forças. A morte o surpreendeu no trabalho e morreu, com o sorriso nos lábios escutando estas palavras de Jesus: “Empregaste bem a tua jornada: vai servo bom e fiel, vai repousar!”

Ó Jesus, assisti-me na hora da minha morte e dizei-me, como a José, essas dulcíssimas palavras de esperança que me esforçarei por merecer, empregando em vossa glória os dias que me concederdes.

EXEMPLO

A 26 de Janeiro de 1856, deu entrada no hospital das religiosas de São Carlos de Virieux-Pelussin, no Loire, uma moça, em estado quase mortal; perdera o uso de todos os membros e de todas as faculdades físicas. Dispensaram-lhe todos os cuidados e depois de oito dias de cruéis sofrimentos, manifestou pequena melhora porém continuava ainda surda e muda. Veio nesse ínterim o mês de São José, e a jovem o fez com as outras enfermas. No derradeiro dia, após a oração habitual e no meio do mais profundo silêncio, quando se passava a recitar a ladainha de São José, ouviu-se a jovem enferma agradecer e invocar a São José lastimando não tê-lo conhecido por tanto tempo. Repentinamente abre os olhos e diz: “Ó, meu Deus, eu vejo!” E, um instante depois, exclama: “eu ouço!” Recobrava sucessivamente o uso dos sentidos. Toda a casa acudiu aos gritos de surpresa e alegria que soltaram as pessoas presentes: “Milagre! Milagre!” Dois dias depois, a doente levantou-se perfeitamente curada.

Roguemos todos os dias ao nosso glorioso Protetor que os nossos olhos nunca se fechem à luz da divina graça, e que os nossos ouvidos se abrem dóceis às palavras de vida e de salvação!

Obs.: Trecho retirado do livro “Mês de São José” do Mons. José Basílio Pereira, 1948. O livro pode ser baixado no blog alexandriacatólica.

Trigésimo dia de meditação do mês de São José

30 a formação da moça

Clique aqui e faça a oração inicial para todos os dias do mês de março.

Oremos por nossos benfeitores, a fim de que Deus lhes retribua todo o bem que nos fazem.

São José era reconhecido

O Santo Patriarca se havia habituado a ver a mão benfazeja do Senhor abrir-se a cada instante para dar-lhe alguma coisa. A luz de que gozava, o ar que respirava, o pão que ganhava, as forças que possuía; sabia que tudo isso vinha de Deus, e lhe agradecia a todo instante. Essa elevação incessante de seu coração reconhecido conservava-o numa alegria contínua. Como ele, não recebemos nós tudo de Deus? Oh! Se os nossos olhos se abrissem, como abrir-se-ão no céu, veríamos a Providência atenta em nos assegurar o bem estar, a paz, a alegria. Demos-lhe graças hoje e não lhe desagrademos em coisa alguma.

Ousaríamos cometer uma falta no momento mesmo em que Deus nos faz tanto bem?

EXEMPLO

Nos dias nefastos em que Napoleão I perseguiu a Igreja e teve prisioneiro o Sumo Pontífice Pio VI, decretou-se, entre outras coisas, que a igreja de São José, chamada da “Scala”, na cidade de Lucca, fosse demolida. Um pedreiro ímpio, ao seguir com outros para a dita igreja, a executar o indigno decreto disse mofando: “Vou agora fazer a barba a São José”. E escalando as paredes já fendidas do templo, começou a obra da destruição, descarregando fortes pancadas que repercutiam dolorosamente no coração dos fiéis que a curiosidade e o assombro tinham atraído. Uma pequena trave, de cuja extremidade saía um grande prego pontiagudo, se desprendeu e caiu do teto já abalado; e o prego foi cravar-se violentamente na cabeça do desgraçado sacrílego, que veio ao chão e foi logo um cadáver.

Ofereçamos homenagens e reparações a São José por todas as irreverências e desacatos cometidos contra a sua santa imagem.

Obs.: Trecho retirado do livro “Mês de São José” do Mons. José Basílio Pereira, 1948. O livro pode ser baixado no blog alexandriacatólica.

Vigésimo nono dia de meditação do mês de São José

11

Clique aqui e faça a oração inicial para todos os dias do mês de março.

Oremos para que Deus nos faça generosos, sempre na intenção de agradar-lhe.

São José dava com abundância

Dar aos pobres é aproximar-se de Deus. Oh! Como se havia de praticar a esmola na casinha de Nazaré! Não era do supérfluo que se dava, mas do necessário em que se faziam cortes, todos os dias. Quando, ao fim do dia, chegava a hora do repouso: “Ainda um pouco de trabalho pelos pobres!” Dizia Jesus e José voltava a faina, ajudado por Jesus e Maria; e depois desse labor suportado com alegria, repousavam todos mais felizes, pensando em que, no dia seguinte, os pobres, teriam um quinhão maior.

Se tendes pouco, daí pouco; se tendes muito, daí muito, mas daí sempre, depositais a juros, para o céu, tudo o que distribuís entre os pobres.

Darei hoje as esmolas que puder, ainda que para isso seja preciso privar-me de alguma coisa.

EXEMPLO

“O Propagador da devoção a São José,” em seu fascículo de Julho de 1886, publica a seguinte comunicação:

“Uma piedosa senhora tinha em seu gabinete uma imagem do Santo Patriarca e, dedicando-lhe muita devoção, não saia de casa sem fazer-lhe alguma oração ou dizer-lhe ao menos, quando não dispunha de mais tempo: “Meu bom São José, abençoai-me e guardai esta casa”! Em Agosto de 1885, em sua ausência, um malfeitor, quebrando as vidraças da janela, penetrou no interior e foi até a alcova. Armário, gavetas, pequenas caixas, tudo foi revolvido. Chegando, porém ao guarda-roupa que estava entreaberto e que também foi visitado, não tocou numa caixa de chapéu onde a senhora deixara naquele dia perto de 700 francos as suas economias de alguns anos. Malogrado em seus cálculos e impacientes retira-se e entra do mesmo modo em casa de um professor, onde arromba um cofre fechado e rouba 760 francos. Certa de que devia a conservação de seu pecúlio a São José, que assim justificava a grande confiança com que era invocado a fervorosa devota vinha dar um público testemunho de seu reconhecimento em honra do Santo Patriarca e remeteu uma pequena esmola para auxílio da obra de resgates dos escravos nas terras da África.”

Roguemos a São José que nos guarde sempre contra as ciladas e assaltos de quaisquer inimigos desconhecidos e ocultos.

Obs.: Trecho retirado do livro “Mês de São José” do Mons. José Basílio Pereira, 1948. O livro pode ser baixado no blog alexandriacatólica.

Vigésimo oitavo dia de meditação do mês de São José

28 março

Clique aqui e faça a oração inicial para todos os dias do mês de março.

Oremos, pedindo a graça de evitar a precipitação.

São José era Prudente

A prudência não destrói a simplicidade nem a retidão: é uma trincheira em defesa duma e doutra. – São José não estreitava amizade com todos: experimentava, observava antes de abrir o coração. – São José contava com a Providência, mas sabia que ela só intervém, quando se tem feito por si tudo o que se pode, e agia como se tudo dele dependesse. – São José sentia-se protegido por Jesus e Maria, mas evitava toda a ocasião do mal, considerando que Deus, não faz milagres por aqueles, que se expõe voluntariamente. Três coisas nas quais preciso imitar-vos, ó São José: a escolha de meus amigos, a assiduidade em meu trabalho e a fuga das ocasiões.

Velarei sobre mim, invocar-vos-ei para que sempre me ampareis.

EXEMPLO

A 19 de Março de 1870, numa pequena cidade da Itália, em conseqüência de uma desgraça que se dera na família, um moço de trinta e três anos foi acometido de tão viva dor e tamanha exaltação mental, que resolveu por termo a própria vida e, para esse fim, disparou um tiro de pistola sobre o coração. Ao golpe sinistro, caiu o infeliz banhado em sangue, porém vivo, e ao invés de arrepender-se e implorar socorro, pedia que acabassem de matá-lo quanto antes. São assim esses pretendidos espíritos fortes; não podem suportar um instante de adversidade e diante da tribulação facilmente desesperam e sucumbem. O triste acontecimento consternou profundamente a família da qual as pessoas mais piedosas logo se lembraram de recorrer ao valimento do grande Santo que a Igreja festejava nesse dia. Muitas fervorosas orações foram dirigidas ao santo Patriarca e este as ouviu favoravelmente. De fato depois de dez horas de terríveis convulsões ocasionadas pela ferida, o moço recobrou a serenidade de espírito, pediu publicamente perdão do crime cometido, e mostrou desejos de confessar-se e receber o sagrado Viático. Enquanto se rezava a São José, o poderoso Santo havia falado ao coração do infeliz e o transformara. Uma crise ameaçadora ainda esteve a impedir que recebesse o Santíssimo Sacramento, mas São José venceu também esse obstáculo. O moço pôde comungar, e passou a última hora de sua vida a abraçar e oscular o crucifixo, dando exemplos admiráveis de resignação e de calma preparação para a morte. Entre os presentes não houve quem não atribuísse à mediação de São José tão consoladora conversão.

Nas mais dolorosas provações, invocando o Santo Patriarca, supliquemos a graça de imitá-lo em sua plena conformidade à vontade Divina.

Obs.: Trecho retirado do livro “Mês de São José” do Mons. José Basílio Pereira, 1948. O livro pode ser baixado no blog alexandriacatólica.

Vigésimo sétimo dia de meditação do mês de São José

Mary, Joseph and Jesus

Clique aqui e faça a oração inicial para todos os dias do mês de março.

Oremos para que Deus nos perdoe todas as nossas suspeitas sobre o próximo.

São José procedia com simplicidade

Ele via as coisas como elas se apresentavam, não indagando nunca se traziam alguma intenção má que lhe houvessem querido ocultar. Em Belém, por exemplo diziam-lhe: “Não temos lugar para receber-vos.” E, se lhe vinha o pensamento de que o repeliam por ser pobre, ele não o acreditava e repetia simplesmente: “Não tem lugar!”

Em Nazaré, quantas coisas feitas por Jesus e Maria, cujo motivo não descortinava! Seguia tudo com inteira confiança dizendo consigo: Jesus e Maria não podem fazer nem querer o mal. – Quanta calma, quanta felicidade traria à nossa alma este modo de pensar!

Eu vo-lo peço, ó São José, concedei-me a graça de me abster sempre de julgar aqueles a quem não devo julgar, e de nunca procurar intenções más nos atos alheios.

EXEMPLO

“Os Anais de Nossa Senhora do Sagrado Coração”, em seu número de Março de 1870, narram o seguinte: “Um homem de boa posição na sociedade foi atacado de um mal que a medicina julgou incurável. Tinha um tumor canceroso debaixo da língua, e os profissionais declararam impraticável a operação.

Era, portanto inevitável a morte e morte dolorosa e terrível. O enfermo, que era homem de fé, teve a idéia de fazer uma novena a São José antes da festa deste Santo. Dez vezes por dia ele exclamava: “São José, Amigo do Sagrado Coração de Jesus, rogai por mim”. E ainda não terminara a dita novena, durante a qual suspendeu o uso dos remédios, já a cura se manifestava. O tumor havia desaparecido contra as previsões dos médicos. O privilegiado comungou em ação de graças no próprio altar de São José “Amigo do Sagrado Coração”, em Isoudum, e aí deixou um ex-voto como penhor de seu reconhecimento.

Encomendemo-nos a São José para que ele nos preserve de toda a corrupção da alma e do corpo.

Obs.: Trecho retirado do livro “Mês de São José” do Mons. José Basílio Pereira, 1948. O livro pode ser baixado no blog alexandriacatólica.

Vigésimo sexto dia de meditação do mês de São José

3

Clique aqui e faça a oração inicial para todos os dias do mês de março.

Oremos para que todas as nossas ações se inspirem no amor de Deus.

São José era de uma justiça e de uma probidade perfeita.

É raro, em verdade, querer-se enganar formalmente, mas há pequenas fraudes que se cometem comumente sem escrúpulos e sem remorsos, quer em conselhos que se dão com egoísmo, sem considerar se prejudicarão a outros; quer no uso das coisas alheias, sem a permissão de seus donos; quer na falta de cuidado com objetos que se obtém por empréstimo e que, por nossa negligência, se arruínam e muitas vezes se extraviam! São José, em suas relações com o próximo, era de uma probidade escrupulosa! Acostumai-vos a respeitar o que não é vosso.

Pouco é pouco, sem dúvida, mas a justiça é delicada e clama sempre que ofendida.

EXEMPLO

Um moço da cidade de Turim que não tinha nenhum princípio religioso, comprando uma vez um pouco de rapé distraidamente pôs-se a ler o papel em que este fora envolvido; era uma oração a São José para obter a graça de uma boa morte. Essa oração, que mal compreendia, despertou-lhe certo interesse e tocou-lhe o coração. A cada instante voltava à sua leitura. Os camaradas, excitados pela curiosidade, queriam tomar-lhe das mãos aquela folha para ver o que continha mas o moço a escondeu e entrou de novo a divertir-se com eles. Sentia, porém um desejo ardente de tornar a ler a pequenina oração, que de princípio lhe causara uma impressão indizível; e assim logo que o deixaram só, volveu à leitura, e tantas vezes a fez que acabou por aprendê-la de cor e repeti-la por hábito. São José não foi insensível a esta homenagem, embora quase involuntária: moveu de tal sorte o coração deste moço, que por si mesmo procurou um sacerdote que o instruísse na religião e, conduzido ao serviço de Deus, nele perseverou até a morte.

Roguemos a São José que cerque de bons exemplos e santas inspirações todos os seus devotos, para que eles glorifiquem no tempo e na eternidade.

Obs.: Trecho retirado do livro “Mês de São José” do Mons. José Basílio Pereira, 1948. O livro pode ser baixado no blog alexandriacatólica.