Vigésimo nono dia de meditação do Mês de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento.

Coracao_de_Maria

A Perfeita Serva do Santíssimo Sacramento

I. Ecce ancilla Domini. Eis aqui a serva do Senhor, exclamou a Virgem Santíssima, e passou a vida a servi-LO o mais perfeitamente possível.

Maria é o soberano e divino modelos do nosso serviço eucarístico. Seu serviço no Cenáculo resume toda a sua vida. Ali renova todos os seus estados, todas as suas graças; no Cenáculo, suas virtudes atingem o cume da perfeição, tornando-se dignas do céu e da glória que lhes está reservada.

Prender-se a esse último elo da vida de Maria é a suprema graça para uma serva da Eucaristia, a qual deve se inspirar nas virtudes e na abnegação de sua boa Mãe, fazendo delas sua força e sua linha de conduta.

O espírito que deve animá-la se define assim: dedicação amorosa ao Santíssimo Sacramento segundo o espírito e as virtudes da Santíssima Virgem.

É um devotamento. Não nos consagramos para ser perfeitos ou felizes, nem sequer para adquirir riquezas espirituais e um belo paraíso; dedicamo-nos única e exclusivamente por amor. A dedicação só tem um desejo: dar prazer e prestar serviço. Pois bem. Nosso Senhor não nos pede que O sirvamos exteriormente nas almas, mas nos diz: “Para ser elevado em meu trono de amor, necessito de adoradores; sem adoradores não posso ficar solenemente exposto; portanto, permanecereis comigo, sereis meus adoradores, estareis unidos à minha Pessoa, sereis para Mim o que Eu sou para vós. Renunciareis totalmente à vossa própria vontade, Eu a quero para mim; do mesmo modo renunciareis aos vossos interesses pessoais, Eu deles me encarrego.”

Um rei trabalha por enriquecer seus súditos, porém não lhes revela seus planos.

Resulta, pois, que o campo que devemos cultivar é o próprio Nosso Senhor e unicamente Ele, que nos quer inteiramente para Si e se confia ao nosso cuidado. E a recompensa dessa dedicação, qual será? Viver perto do Rei, dar-lhe prazer, e sermos seus favoritos. Servirmos o Rei por sua própria glória, abnegando-nos completamente. Essa dedicação deve ser, pois, uma oblação de amor puro, puríssimo, eucarístico; a Eucaristia absorve tudo; Jesus dá-se inteiramente. Mas Ele traz consigo um sentimento de gozo e de felicidade inefável que se estende sobre a vida toda. Como assim? Poderá haver ideal mais grandioso do que vermo-nos associados à Eucaristia, à adoração, e tornarmo-nos pessoas de Jesus Cristo?

Consagrai-vos, pois a esse serviço com alegria e contentamento; o amor tem asas, voa, prefere o serviço de Jesus ao seu próprio repouso e felicidade. Quando não se ama, vai-se retardando, caminha-se devagar; a exemplo de Maria, correi, voai ao serviço da adoração de Jesus que está a vossa espera.

II. O serviço de Nosso Senhor: eis qual é nossa partilha em união com a Santíssima Virgem. Fostes chamados a servir ao Senhor e não a vós mesmos. Cuidareis, pois em evitar certas expressões que denotariam um conhecimento imperfeito desse sublime serviço. Não haveis de dizer: “Vou fazer meu serviço”; não, não, os mercenários assim dizem. Pelo contrário, haveis de dizer: “Vou fazer o serviço de Nosso Senhor.” Existe grande diferença entre esses dois termos e principalmente entre os dois pensamentos. Um cortesão gosta de dizer: “Estou a serviço do rei.” Pois bem, digamos nós: “Estou a serviço de Nosso Senhor”; desse modo, nos renunciamos, nos perdemos de vista e colocamos Nosso Senhor em evidência. Este serviço abrange várias funções; algumas, como a Santa Missa, a Adoração, o Ofício, se referem diretamente à Pessoa Divina de Jesus; outras, concernem à honra da Casa ou ao bem estar de seus servos. Todavia, são todas funções do real serviço de Nosso Senhor.

O decoro de sua Casa exige certos trabalhos, diversos empregos materiais, porque não somos puros espíritos; no entanto, nessas mesmas ocupações há de se ter em mira o Rei e trabalhar somente para Ele.

Dedicação à maior glória do Santíssimo Sacramento.

O que é esta glória e que devemos fazer por ela? Devemos referir-lhe todo o bem que praticamos, nada reservando para nós, sem querermos formar um pecúlio próprio, um tesouro à parte. Temos que ser como Maria, servos do Santíssimo Sacramento; servos que não contem mais com seu próprio interesse, sua personalidade, inteiramente devotados ao serviço de Jesus.

Que belo título! Foi o preferido por Maria, o único que aplicou a si mesma; tomando esse nome de vossa Mãe é mister assumir os deveres e virtudes que ele encerra; todos eles se acham incluídos no Magnificat: O Senhor olhou para a humildade e baixeza de sua serva.

Oh! Sim, se existe alguém que deva ser humilde é bem o servo. Que diríamos de uma serva que no serviço de seu amo fizesse somente o que lhe aprouvesse dispondo do tempo, reservando-se certos momentos? Devemos, porém tomar as virtudes de Maria em sua última fase: no Cenáculo, aonde não são mais que atos de adoração; ali a Santíssima Virgem adora com todas as suas virtudes e a adoração resume toda sua vida.

Servir a Jesus Sacramentado com o espírito e as virtudes de Nossa Senhora do Cenáculo, eis qual é a vida de uma serva; sua palavra de ordem é: Tudo para o serviço de Jesus Hóstia em união com Maria.

Os numerosos milagres de Lourdes na procissão do Santíssimo Sacramento (Cont.)

A partir de 1888, vem se elevando a proporção das curas operadas na procissão do Santíssimo Sacramento, em Lourdes. Da sexta parte passou em breve à quinta, depois à quarta, logo a um terço, e à metade, que foi ultrapassada em 1894 e 1898. Nesse último ano, registraram-se 40 curas nas procissões por 75 nas piscinas. Houve algumas oscilações em 91, 92, 95, mas no cômputo geral desses 10 anos, elevou-se a 60% o número das curas operadas nas procissões.

Os próprios doentes não precisaram conhecer essas estatísticas para constatar a eficiência das procissões; vêm pressurosos se agrupar na esplanada do Rosário, e de preferência durante as peregrinações a fim de tomar parte nas grandes manifestações eucarísticas, certos de que nessas cerimônias as curas são sempre mais numerosas.

Em 1889, registraram-se curas bem singulares. Eis uma jovem cega, Maria Luisa Horeau, de 19 anos de idade; não distingue o dia da noite, é conduzida pela mão para caminhar e até o próprio alimento precisa lhe ser dado por outrem. Devido a repetidas inflamações da córnea e profundas lesões na vista, seus olhos perderam a transparência. Não lhe tendo sido possível aproximar-se da gruta, colocou-se diante da piscina, pedindo à sua companheira que lhe avisasse a passagem de Nosso Senhor. “Ei-LO” disse afinal a amiga da pobre cega, no momento em que se divisou o Santíssimo Sacramento em meio da multidão que O cercava por entre aclamações. A doente lançou-se de joelhos: “Senhor, se quiserdes, me podeis curar! Senhor, fazei que eu veja!” De repente um clarão ofuscante passou diante de seus olhos e sentindo uma dor agudíssima, pôde abri-los. Divisou a gruta, a multidão ajoelhada, e Jesus que, radiante de glória, a abençoava. Recuperou completamente a vista, podendo perceber os mais delicados objetos. Examinados os seus olhos, apresentaram-se de uma clareza e limpidez perfeitas.

PRÁTICA Dedicar-se às obras do culto eucarístico, à imitação de Maria, servindo Jesus no Cenáculo.

JACULATÓRIA Oh! Maria, Mãe do Belo Amor, fazei-nos amar a Jesus no Santíssimo Sacramento, como O tendes amado.

Obs.:Trecho extraído do livro: Mês de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento, do Bem aventurado Pedro Julião Eymard. O mesmo pode ser baixado no blog alexandriacatolica.blogspot.com.br

Sobre Débora Maria Cristina

email para contato: aformacaodamocacatolica@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: