Décimo sétimo dia de meditação do Mês de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento.

Rainha dos Apóstolos

Maria, Nossa Mestra no Cenáculo

I. “Filho, eis aí vossa Mãe.” Ao ouvir dos lábios de Jesus estas palavras, tão consoladoras para nós, a Santíssima Virgem devia ter morrido de dor. Como assim?! O discípulo em lugar do Mestre, João em lugar de Jesus, a criatura em lugar do Filho de Deus?!

A divina Mãe, porém, aceita com amor esta permuta; cobre-nos com o sangue e os merecimentos de Jesus, e começa a nos amar com solicitude ilimitada, a ponto de sentir-se feliz em ficar ainda 24 anos na terra, para nos alimentar com seu amor e suas graças incomparáveis, apesar do imenso desejo que tinha de se ver unida quanto antes a seu Filho na glória.

A missão de Maria será a de fazer nossa educação cristã. Jesus conquistou todos os tesouros da graça; compete a Maria recolhê-los, distribuir o Pão que Ele nos deixou e fazer observar a lei que promulgou.

Jesus não podia ficar entre nós em seu estado glorioso; um certo temor nos afastaria d’Ele. E é por isto que o seu amor, no Santíssimo Sacramento, O priva de toda a ação exterior, a fim de que se torne mais atraente e mais acessível a todos.

Eis, porém nossa Mãe, que também é a Mãe de Jesus; Ela conhece o segredo da vida e do coração de seu Filho, e nos quer manifestar as virtudes de Jesus, no-las mostrar sob esse aspecto amável e fácil de reproduzir, o que somente é dado fazer a um coração de mãe. Se eu ousasse, dizia Maria vai maternizar Jesus, torná-LO tão meigo, tão acessível e fácil de imitar, como é a mãe para seu filhinho!

Oh! Como serão belas e tocantes as palavras de Jesus, passando pelos lábios de Maria! Quão amáveis e facilmente imitáveis se tornarão as virtudes tão sublimes, em si mesmas, ensinadas por Maria! Quão belo e amável será Jesus pintado por Maria! Como será fácil a educação com tão boa Mestra!

II. Maria conceberá, formará e aperfeiçoará Jesus em nós; Ela concebe Jesus em nós e no-lo dá.

O Pai lhe entregou seu Filho para que no-lo transmitivesse; o mundo era indigno de receber o Verbo diretamente de Deus; Maria foi nossa medianeira na Encarnação, e agora continua desempenhando este mister, pois ninguém chega ao conhecimento de Jesus Cristo nem abraça sua santa Lei, nem obtém o dom da fé que salva, senão pelas súplicas de Maria; sua missão, que Ela sempre desempenha com fidelidade, é nos dar Jesus; importa recebê-LO de suas mãos, e debalde O procuraríamos longe d’Ela. Além disso, Jesus só crescerá em nós por meio de Maria; todas as graças de progresso espiritual só nos advirão por seu intermédio, pois foi sob a direção maternal de Maria que Ele cresceu em Nazaré; Jesus quer fazer-nos seguir a mesma lei. Vede no Santo Evangelho como opera suas primeiras graças por meio de Maria e em união com Ela. Por intermédio d’Ela santifica João Batista; sob seu olhar, glorifica seu Pai e se faz nosso modelo em Nazaré: a seus rogos consolida a fé dos discípulos em Caná, e enfim na Cruz encarrega-A solenemente de nossa formação. É finalmente pro meio de Maria que Ele se aperfeiçoará em nós. A perfeição de Jesus em nós é a obra por excelência do Espírito Santo, mas, assim como este Espírito de amor quis realizar sua obra-prima, a Humanidade Santa de Jesus, por meio de Maria, assim também para estabelecer em nós a perfeita semelhança do Salvador e transformar-nos em outros tantos Cristos quer valer-se da cooperação de Maria.

Quanto mais encontra Maria numa alma, com tanto maior poder opera nela. Perguntai a todas essas almas santas nas quais reina soberanamente o amor de Jesus, perguntai-lhes onde o adquiriram e unanimemente hão de responder que foi em Maria.

Não possui Ela o segredo do espírito de Jesus? Sim; mais ainda: possui a plenitude desse Espírito, e é a perfeita imagem do Salvador, assim como o Verbo é a perfeita imagem do Pai.

A Maria compete dar-nos o espírito da família; para isso se reveste de todas as qualidades de Jesus, de todas as suas virtudes, e fazendo-as passar através do seu maternal coração, no-las torna mais suaves, mais fáceis e nos anima a imitá-las. Por meio do amor de Maria vamos até a santidade de Jesus; vivendo da santidade de Maria, viveremos também da santidade de Jesus.

III. Quão belo seria ver como Maria familiariza a criança com a idéia de Jesus, como infunde nos jovens sentimentos de generosidade para com Ele, e após havê-los preparado o disposto para a primeira comunhão, os guia mais tarde na escolha de um estado de vida conveniente e santo!

Essa educação dos jovens por meio de Maria exerce uma influência permanente em toda sua vida; efetuada pelo sentimento tão suave e encantador de seu amor e de sua piedade, causa-lhes uma impressão tão forte que nem mesmo uma vida desregrada conseguirá apagar, e desse modo conservarão sempre um sentimento de amoroso respeito para com Maria, ainda que algum dia venham a se olvidar de Deus.

A suave e excelsa imagem de Maria nos acompanha sempre na vida.

Feliz de quem recebeu d’Ela esta primeira educação; ser-lhe-á uma alavanca para retirá-lo do mal, e seu nome sempre despertará nesse coração uma vibração de amor.

É também Maria que faz a educação da virgem cristã, infundindo-lhe desde a infância sentimentos de piedade e de ternura para com Jesus, e que acende em seu coração a chama ardente do amor, nele excitando uma nobre ambição; mostra-lhe seu lírio imaculado, faz-lhe dele uma coroa, e apertando-a contra o peito, osculando-a casta e maternalmente, lhe diz: “Oh! Minha filha, sê um lírio, sê a esposa de meu divino Filho; dá-lhe teu coração e recebe seu anel virginal; olha para minha coroa, recebe em herança meu amor pela virgindade, e sê duplamente minha filha!”

Desse modo, Maria forma as virgens, as guarda e defende. Adducentur virgines post eam.Maria é a sua rainha.

Eis como a educação feita por Maria torna a piedade fácil e suave. O que Ela fez nos primórdios da Igreja, continua a fazê-lo até hoje.

Os Apóstolos, como nós, já possuíram a Eucaristia, porém a primeira educação não é dada pelo pai; uma educação feita sem os carinhos maternais, disso a ressentirá sempre. A santidade formada unicamente por Jesus é mais austera, formada por Jesus e Maria é mais afável; para prová-lo, temos São João e São Paulo. Seja, pois Maria quem nos leve a Jesus, sela Ela quem no-lo faça conhecer e amar, assim como O conheceu e amou. Nisto consiste a santidade e a felicidade.

* * *

Maria ama Jesus em nós

Maria nos cerca mui particularmente com sua ternura maternal quando possuímos Nosso Senhor em nosso coração, porque contempla em nós o seu diletíssimo Filho.

Santa Oportuna, abadessa, pediu, no leito de morte, para receber o Sagrado Corpo de Nosso Senhor, e comungou com tanta devoção, que não somente Jesus lhe deu as mais tocantes provas de amor, mas também a Santíssima Virgem se dignou aproximar-se de seu leito para consolá-la e dar-lhe o seu auxílio nesse último combate. A piedosa abadessa lhe confiou então as suas filhas espirituais e os interesses de seu mosteiro. E, estendendo os braços para Maria, num gesto de estreitá-LA ao coração, depositou em suas mãos a vida, exalando o suspiro final.

(Nicolau Laghi, trat. II, c XLVII).

PRÁTICA – Suplicar a Maria para que todos os agonizantes recebam o Sagrado Viático.

JACULATÓRIA – Salve ó Maria! Nuvem celeste que espalhais a Eucaristia sobre o mundo, como um orvalho benfazejo.

Obs.:Trecho extraído do livro: Mês de Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento, do Bem aventurado Pedro Julião Eymard. O mesmo pode ser baixado no blog alexandriacatolica.blogspot.com.br

Sobre Débora Maria Cristina

email para contato: aformacaodamocacatolica@gmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: